Transporte de cachorro porte grande para o Canadá

Pedi para a Patrícia, uma das minha novas amigas aqui de Victoria, se ela podia escrever um post explicando com ela trouxe a Mia, uma cachorra da raça Samoeida do Rio de Janeiro para Victoria. E ela topou! Segue o post dela bem detalhado com dicas de como trazer o seu cachorro do Brasil para o Canadá.


Depois de dois anos de casados, eu e meu marido decidimos nos mudar para o Canadá, ele para estudar e eu para trabalhar. Mas não podíamos deixar nossa filha-cachorro no Brasil.

A Mia é uma samoieda fêmea de dois anos e 20 Kg.

Meu marido veio para Victoria em 13 de setembro de 2016, devido ao início das aulas, e eu fiquei no Brasil, pois ainda estava trabalhando e, também, para acabar de organizar a vida e algumas documentações. Para cachorros deste porte, que vão na área de carga, é preciso checar com a Air Canada as datas disponíveis, uma vez que só é permitido um cachorro desse porte por voo, e o tipo de avião previsto para a data, já que não são todas as aeronaves que comportam o embarque de animais. Minha viagem foi marcada para o dia 29 de setembro de 2016 pela Air Canada e, assim, iniciamos o processo de elaboração da documentação e compra da caixa para o transporte.    

Conforme informa o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento , a documentação necessária para emissão do CZI (Certificado Zoossanitário) para saída do Brasil e entrada no Canadá são:

Exigências Específicas

a) Atestado de saúde.  

b) Carteira de Vacinação  – Para os filhotes com menos de 3 meses de idade a vacinação anti-rábica é dispensada. O médico veterinário particular deverá declarar que a primo imunização anti-rábica não foi efetuada devido a pouca idade.   

Informações Gerais  

– Não existe exigência de sorologia;  

– Não existe exigência de tratamentos específicos;  

– Não exige exame clínico pelo Fiscal Federal Agropecuário, antes do embarque;  

– Não exige quarentena.   

Além disso, não existe exigência de castração do animal e nem da implantação de microchip.

O processo iniciou-se no dia 1 de setembro, ou seja, quase um mês antes do meu embarque para Victoria, quando o veterinário aplicou a vacina anti-rábica exigida. Na Carteira de Vacinação deve constar a vacina anti-rábica em dia e o selo da vacina, para fins de conferência do estabelecimento fabricante, número do lote ou partida e data de fabricação. Não são aceitas vacinas de campanhas públicas, por isso, o médico veterinário responsável deverá descrever na carteira de vacinação do animal a data da aplicação da vacina anti-rábica e sua validade, registrando ainda, sua assinatura e carimbo.  

Como medida preventiva, Mia também foi vacinada contra tosse canina, uma vez que sair de um local quente e ir para o Canadá no início do inverno pode gripar o animal.  E, além disso, aproveitamos e fizemos a microchipagem, que é um procedimento super rápido e indolor.

A Mia tinha um problema nos ovários e apesar de já estar com dois anos de idade, ela nunca tinha entrado no cio. Para evitarmos problemas futuros, fizemos a castração (pan-histerectomia) no dia nove de setembro.

Como a documentação da Vigilância Agropecuária deve ser emitida no máximo até 10 dias antes da viagem, no dia 20 de setembro entrei em contato com a VIGIAGRO pelo número (021) 3398-7072 (funcionamento  de segunda a sexta-feira em horário comercial) para agendar uma data e horário para o atendimento. O agendamento foi marcado para dia 26 do mesmo mês e a VIGIAGRO encaminhou um email com as orientações sobre a documentação original a ser apresentada:

  • Requerimento de Fiscalização para Animais de Companhia;
  • Modelo de CZI conforme país de destino (imprimir em duas vias e este documento NÃO deve ser assinado pelo MÉDICO VETERINÁRIO PARTICULAR), Instruções de Preenchimento;
  • Atestado de saúde emitido pelo Médico Veterinário, que atenda à Resolução 1023 de 27 de fevereiro de 2013 do CFMV, com validade máxima de 10 dias e que atenda às exigências sanitárias específicas do país de destino;
  • Caderneta de vacinação;

Todos os formulários podem ser encontrados no site do Ministério da Agricultura para download e impressão.

Mia no Beacon Hill Park, Victoria

A recuperação da castração foi rápida e no dia da retirada dos pontos, dia 22 de setembro, foi também realizado o tratamento antiparasitário obrigatório. No caso da Mia, o antiparasitário interno foi o “Drontal” (princípio ativo: praziquantel, pamoato de pirantel e febantel) e o externo foi o “Revolution 12%” (princípio ativo: Selamectina). Assim, foi possível a emissão do “Atestado de saúde para viagens de cães e gatos” pelo médico veterinário (deve ser datado, carimbado e assinado).

É bom lembrar que para o preenchimento da documentação será necessário possuir um endereço de estadia na cidade de Victoria, Canadá. Como eu não tinha um endereço fixo, coloquei o endereço do Air Bnb, onde fiquei nos primeiros dias.

O peso do kennel somado ao do cachorro deve ser de 32 Kg (no site da Air Canada está 45 Kg, mas me informaram e exigiram 32 Kg no embarque) e a dimensão linear máxima deve ser de 292 cm (comprimento + largura + altura), por isso, atenção quando for comprar o kennel. Como Mia tem  70 cm de altura e 90 cm de comprimento e é necessário que ela consiga dar uma volta completa dentro da caixa, adquiri a caixa de transporte Vari Kennel Extra grande (102 x 69 x Alt. 76 cm – CxLxA –  de 12 Kg peso).  O ideal é comprar o kennel alguns dias antes e ir acostumando o cachorro. Eu comprei duas semanas antes da viagem e deixava a porta aberta para que ela pudesse entrar sem medo. De vez em quando, colocava um brinquedo ou um biscoito dentro para que ela pudesse se acostumar.

A Air Canada pede para chegar ao aeroporto com quatro horas de antecedência para o procedimento de embarque do cachorro, pois é necessário fazer check in, pagar a taxa (207,00 dólares + taxas), fazer a pesagem e despachar o animal. Maiores informações em relação ao transporte de animais pela Air Canada, você encontra no site. Atenção, pois existe um período de alta temporada em que não é permitido o transporte de animais em voos.  É permitido levar um pouco de ração para o animal e o ideal é colocar uma garrafa d’água presa à porta do kennel para que o animal possa beber durante a viagem.

Caso você venha para Victoria, o ideal é marcar a conexão de Toronto para Vancouver com um pouco de folga, tendo em vista que na chegada em Toronto, você deve passar pela imigração para comprovação de visto e, posteriormente, as malas e o cachorro deverão ser retirados e encaminhados em outro portão para a conexão. Ou seja, se você está de mudança com duas malas de 32 kg + mala de mão + cachorro, eu sugiro que não viaje sozinho! Eu dei sorte de ir com um casal de amigos que estavam indo para Toronto e me ajudaram na aventura das bagagens. Além disso, muitas vezes, como foi no meu caso, a caixa de transporte do animal acaba sendo danificada na viagem e algumas alças são arrancadas e rodinhas perdidas, dificultando o posterior transporte. Após a retirada das malas e do animal, ele deverá ser direcionado à imigração de animais, onde o animal e os documentos são inspecionados e uma taxa de 30 dólares + impostos deve ser paga. Com essa liberação, o animal e as malas deverão ser direcionados ao check in e, novamente, despachados. Na conexão de Vancouver para Victoria, o passageiro não tem acesso ao animal, porém, é importante avisar à equipe de bordo que você está acompanhado de um animal para que eles possam checar se o embarque na área da carga foi apropriado.

Quando você se estabilizar na cidade e tiver um endereço fixo, o cachorro deverá ser registrado. No caso de Victoria, há vários lugares onde o cachorro pode ser cadastrado e, caso ele tenha sido castrado em menos de seis meses, como foi o caso da Mia, é só comprovar com um atestado do veterinário que a licença anual é gratuita. Eu trouxe o atestado em português mesmo e eles aceitaram, pois o nome pan-histerectomia é muito parecido em inglês.  Depois disso, é só colocar a identificação na coleira do cachorro e ter uma cópia do recibo de cadastro para caso a identificação da coleira se perca.

No final, quando você vê a alegria dela correndo nos parques e curtindo o friozinho,  percebe que toda a aventura valeu a pena.  Agora é só ela acostumar com a casa nova e não destruir tudo, mas aí já é outra história…rs


Patrícia muito obrigada pelo seu post e pelas fotos, tenho certeza que ajudará diversos leitores! 😉

Leiam também:

 

4 thoughts on “Transporte de cachorro porte grande para o Canadá

  1. Olá!!
    Achei bem instrutivo teu post!
    Estou me mudando para Vancouver este ano e tenho duas cachorras que junto com o kennel ultrapassa o tamanho para ir na cabine….
    Entrei então em contato com a United e a Air Canada, para saber a respeito das datas para embarque e valores. Para minha surpresa, ambas me informaram que não fazem o envio de animais, nem como bagagem extra, sem ser com um agente autorizado. Ou seja, Eu terei de gastar uma fortuna em “assessoria” para o embarque.
    Como não resido em SP, o contato com estas companhias se dá somente por telefone… então é bemmm dificil.
    Gostaria de saber se vc usou um agente, e como fez para conseguir despachar tua cachorra como bagagem.

    Desde já, obrigada!

    Rafaela

    1. Olá Rafaela, na verdade quem escreveu o post foi a Paty, uma amiga brasileira que mora aqui em Victoria. Como ela me contou sobre a historia de trazer a Mia, a cachorra dela, eu pedi se ela poderia compartilhar os detalhes aqui no blog para ajudar outras pessoas. Ela não usou nenhum agente. Ela fez tudo sozinha e os voos delas foram todos com a Air Canadá. Ela saiu do Rio de Janeiro para Victoria, BC. No post ela conta detalhadamente todo o processo. 😉

Leave a Reply